Cadastre-se
Frio aumenta em 70% casos de conjuntivite alérgica
15 Junho 2016  | Seção: Saúde  |  Categoria: 
  
   A - A +
Enviar por E-mailX

Você pode enviar este conteúdo para até três amigo(a)s ao mesmo tempo.

+ 1 Amigo(a)

+ 1 Amigo(a)

Enviar Conteúdo
Tipo não é contagioso.
Data:
Cidade:
Os oftalmologistas já sabem e esperam. Basta o frio chegar para aumentar os casos de conjuntivite alérgica nos consultórios e hospitais. No inverno, o crescimento chega a 70%. Mas, com a queda antecipada das temperaturas, o Hospital Oftalmológico Visão Laser, em Santos, já registra a elevação do número de pacientes com os sintomas típicos do problema ocular: olho vermelho, edema de início súbito e coceira.

Na maioria das vezes, a alergia é provocada pelos ácaros e fungos presentes nas roupas pesadas de inverno, pelos ambientes fechados e pela própria rinite alérgica. A consequência disso é a inflamação da conjuntiva (membrana que recobre o olho e a superfície interna das pálpebras).

"Durante o clima frio, os pacientes com conjuntivite alérgica aparecem diariamente nos consultórios. A diferença é que este tipo não é contagioso, ou seja, não há risco de surto?, atesta o professor doutor em Oftalmologia pela Universidade Federal de São Paulo,  Marcello Colombo Barboza, diretor do Hospital Visão Laser e titular da cadeira de Oftalmologia na Faculdade de Medicina do Unilus (Centro Universitário Lusíada).

Na conjuntivite alérgica, os alérgenos podem ser identificados e então evitados. Uma medida simples e eficaz é tirar do armário os casacos e colocar no sol para tirar os ácaros, provocadores da reação alérgica. É importante também manter os ambientes ventilados.
Como existe mais de um tipo de conjuntivite, como as causadas por bactérias ou vírus, a recomendação é procurar um médico, assim que surgirem os sintomas: coceira, olhos vermelhos, sensibilidade à luz, sensação de areia nos olhos, edema das pálpebras e secreção. "Só o médico poderá dizer qual é o tipo de conjuntivite e qual o melhor tratamento. A automedicação nunca é recomendada. As pessoas se esquecem de que colírio também é remédio?, diz o especialista.
Geralmente, as conjuntivites alérgicas afetam, ainda, pessoas com quadro de outros tipos de alergia, como a rinite que atinge o nariz. Sendo assim, elas devem procurar dois especialistas, o alergista e o oftalmologista. Antiinflamatórios tópicos e medicamentos via oral podem ser usados na ocorrência de conjuntivite alérgica prolongada.
 
Dicas para prevenção e tratamento

1.  Tire do armário os casacos e coloque no sol para tirar os ácaros, provocadores da reação alérgica. 

2. Mantenha os ambientes ventilados.

3. Lave as mãos com frequência e evite coçar os olhos.

4. Não encoste o frasco das pomadas e colírios nos olhos e lave as mãos antes a após aplicá-los.

5. Evite a exposição a agentes irritantes (fumaça) e alérgenos (como os ácaros e o pólen das flores) que podem causar conjuntivite.

6. Não use lentes contato enquanto estiver com conjuntivite ou em uso de colírios ou pomadas.

7. Procure um médico, assim que surgirem os sintomas: coceira, olhos vermelhos, sensibilidade à luz, sensação de areia nos olhos, edema das pálpebras e secreção.

8. Faça limpeza com panos úmidos para remoção de poeira, principalmente no quarto de dormir, e do mofo, evite contato com pelo de animal, se for sensível, remova carpetes e use desumidificadores. 

Sobre o Hospital Oftalmológico Visão Laser
 
Fundado em 1936, pelo Dr. Luiz Barboza Filho, como Clínica Visão, o Hospital Oftalmológico Visão Laser, em Santos, é referência em saúde ocular na Baixada Santista. Hoje a unidade é dirigida pelos familiares do fundador, o filho Luiz Roberto Colombo Barboza, a nora Maria Margarida e os netos Marcello e Guilherme Colombo Barboza - todos oftalmologistas. O VL conta com profissionais de diversas subespecialidades clínico-cirúrgicas, além de anestesistas, enfermeiros e ortópticos. Mantém intercâmbio com os maiores centros oftalmológicos do Brasil e do mundo, como o Instituto Barraquer, em Barcelona (Espanha), e o Bascom Palmer, em Miami (Estados Unidos). É credenciado pelo Ministério da Saúde para captar e transplantar córneas na região. O endereço é Avenida Conselheiro Nébias, 355, Vila Mathias, telefone (13) 2104-5000. Mais informações no site www.visaolaser.com.br.
 
Sobre Marcello Colombo Barboza

É professor doutor em Oftalmologia pela Universidade Federal de São Paulo e titular da cadeira de Oftalmologia na Faculdade de Medicina do Unilus (Centro Universitário Lusíada).  É ainda professor assistente no Departamento de Oftalmologia da Santa Casa de São Paulo, diretor do Hospital Oftalmológico Visão Laser, em Santos, e membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia, do Concílio Internacional de Oftalmologia e da Associação Americana de Oftalmologia.
Comentários X

As opiniões expressas nos comentários são de única e exclusiva responsabilidade de seus autores e não expressam a opinião deste site. Comentários ofensivos ou que violem a legislação vigente serão suprimidos.


* seu e-mail não será publicado.
Enviar Comentário
Analytics